Riscos críticos de um enxoval mal higienizado

enxoval

O enxoval é um elemento crucial para se mensurar a qualidade de uma hospedagem. É o ponto de contato mais próximo entre a empresa e o hóspede, portanto deve ser impecável. Ele contribui para a manutenção de questões como conforto e satisfação visual. Porém, sua missão fundamental é garantir, no mínimo, uma condição digna de higiene que respeite e preserve a saúde dos consumidores.

Todo cuidado é pouco neste processo de higienização. Escolha de produtos, procedimento de lavagem, transporte e manuseio, tudo deve ser devidamente
planejado, coordenado e executado para que não haja nenhuma falha que possa prejudicar a qualidade das peças. Recomenda-se, por exemplo, que as tarefas de retirar os itens sujos e distribuir os itens já higienizados não seja feita ao mesmo tempo, para evitar uma possível contaminação entre eles.

Outra exigência imprescindível é a troca dos kits de enxoval entre as estadas. Essa substituição é ESSENCIAL. Mesmo que visivelmente as peças pareçam impecáveis, mesmo que não tenha nenhuma sujeira ou amassado aparente, é inadmissível que se utilize os mesmos itens para uma outra pessoa.

Os vírus e as bactérias não são visíveis a olho nu, mas os danos causados por eles podem se tornar bem explícitos. Em entrevista para o fantástico, o infectologista Edmilson Migowski (novembro 2017), citou algumas das possíveis doenças causadas por essa falta de responsabilidade. Entre elas estão a sarna, o piolho, o chato e a conjuntivite.

Por mais inacreditável e decepcionante que seja, alguns estabelecimentos negligenciam essa necessidade tão séria. E isso é um absurdo. Um hotel ou uma
pousada que preze, de fato, pela excelência de serviços e pelo bem-estar de seu público não deve admitir nenhuma possibilidade de risco à saúde dos mesmos.

Fonte:

https://youtu.be/fpbkAbrUY-w